terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Você é minha poesia

Porque não posso tocar-te
Minhas palavras vêm

Porque não posso ouvir-te
Minhas palavras doem

Porque não posso explicar-te
Minhas palavras multiplicam em mim

Porque não posso procurar-te
Minhas palavras poetizam a espera e deixam o peito calar

Porque não posso deixar de amar-te
Minhas palavras revertem-se em escrita
Reservam-se para o reencontrar

Minhas palavras têm as letras que formam nossa vida
Minha escrita tem seu nome sangrando no peito
Minha boca tem seu beijo
Meu coração é sua cama
Meu corpo seu aconchego
Você é minha poesia
E sempre será




Postar um comentário