Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2011

Quem não sabe ler nem ver o óbvio, precisa de muitas respostas.

Chega de declarações. Vem-me o silêncio.

Não que nele não haja sentido, contudo faz-se mistério àqueles que nele não vêm tal sentido.

Chega de versos e prosas.
Quem não sabe ler nem ver o óbvio, precisa de muitas respostas.
Quem não sabe de si não pode ver o outro.
Quem quer os limites finge desejar o ilimitado para não se sentir tão pequeno.

Nós desatados.

Quanta aparência esconde o invisível. Mas não tem sentido tal cena, o subtexto é menino.
Tal fato não é abrigo.
Esconder-se é perigo.
Indigente de si em um barril de pólvora latente.
Não se esconde a fumaça. Segue-se o rastro e vê-se donde veio a fagulha.
Pode ter sido apenas de uma bituca... e fez-se o estrago.

Não importam as respostas e sim as perguntas... a questão é essa.
Se vem a dúvida, essa já é a resposta.
Se vê-se outra porta, essa é a resposta.
A pergunta é a resposta: Já diz que o questionável não é dominante, há lacunas.

A folha está em branco?
Não, nunca.
Já está escrita, com suas exclamações, pontos e vírgulas.
Tem q…

Palavras já não me dizem coisas...

Não fale comigo. O que tens a dizer?

Há prontidão em minha alma em Ser.

Não atravessas o mar... As ondas são susto? A quebração logo passa e ali está a calma...

Não me cante uma música se não tens o teu ritmo... Os sons são palavras emudecidas em suas letras melodicamente escondidas.

Corre! De si não vem aquilo que queres, não tens a mão no arado, somente vês os trabalhadores irem a luta.
E tu?

Vai-te, some nesse vácuo que te preenche agora. Não podes viver o denso, não podes contê-lo então dá-se à superfície e pronto.

Quantos anos queres para ver?
Quantos planos queres ter?
Quanto estás disposto a viver?


Não fale comigo. Palavras já não me dizem coisas. Não é assim que preciso.

É do que é livre que quero. Do que é grande, maduro e sincero. Do que se mostra e se abandona à si.
É do sim. É de mim.

Vou além. Eu vejo. Quero.

Minha alma tem prontidão em Viver... Em sê-lo...

Nunca mais fales comigo assim... Teu medo me emudece...



Ele e ela - Plateia de um

Ele era encantável aos olhos nus
A face agradável que buscam os desejos crus
Nada do era em si era revelado assim, ao simples olhar
Como uma caixa de pandora eram as surpreendentes coisas escondidas atrás de suas cores pálidas
Era guardado dos outros e exposto ao seu caos

Ela era grandemente doce
Dada a todos com coração
Amante do cuidar
Do toque e das palavras
Era cheia de coragem que a vida obrigou-lhe a ter para ir em frente e sobreviver


Ele era poesia
Ela era texto

Ele era verso
Ela era prosa

Eles eram almas estranhamente parecidas
Ele ia sem pensar
Ela pensava demais para ir
Ele jogava com o olhar
Ela não sabia brincar de seduzir assim

Nas tormentas de uma cena vivida viraram plateia única, unida
Plateia de um

Esses mundos encontraram-se mesmo já estando juntos na vida
Toque, lábios
Pleno contato
Ritmação que dizia palavras que não foram ditas, somente sentidas, somente mexidas
Um mundo de grandes possibilidades
Daqueles calores que dão verdadeiro sabor a vida

Eles eram parecidos…

Piscina ou mar aberto?

Percurso final para que mais um ano se vá. E estou assim: descansando em mim.
Não há lugar mais honesto do que o Eu.
Nada mais sincero e diretivo.
Uma agitação envolve o todo. Tantas e tantas coisas a serem feitas. O trabalho não para. É como se continuamente estivéssemos guerreando, sabe-se lá com quem, contra quem... mas nunca para.
O tempo é uma máquina de tortura para esses dias. Nos assombra. Nele não cabe o dia e nem a noite. Não cabe. 
A mente fragmenta acontecimentos com míninas palavras. O tempo, a pressa... 
Nesse percurso final de 2011, depois de abrir uma escotilha esquecida no alto da alma, resolvi: descanso em mim.
Claro, não é possível ter descanso no Eu tal qual enxergamos na literalidade da palavra, porém há certezas e concretude nesse descanso. Há clareza e postura nele. Há aceitação do que há no Eu, há aceitação da complexidade.
Clarice Linspector já falava do eu de forma intensa e poética, enlaçadamente complexa. O estudo do pensamento, da alma, emoções e suas ling…

O certo, o errado e a vida

Tanta coisa envolve esse tema. As situações são prólogos de das próximas cenas.

Uma novela prepara a cada dia a próxima cena, desenha a caminhada das personagens. Os expectadores acompanham passivos o desenrolar da trama, vivendo suas emoções com intensidade e torcida.

Falando da vida que inspira as tramas, corre assim. Uma teia. Uma cadeia como a cadeia alimentar. Ações, reações e resultados.

As palavras são lançadas, como refere-se a bíblia, produzem resultado.

Mesmo quando não se age, se age. Mesmo quando não há querer, há mudança. "Tudo  muda o tempo todo no mundo".

E o certo? E o errado? E a vida?

Refiro-me à bíblia como referência neste post pois sua sabedoria é milenar e sobrevive às mudanças temporais, transforma pessoas e trabalha o "ser" interior em sua real aparência.

Diz assim: O coração do homem planeja o seu caminho, mas o SENHOR lhe dirige os passos.
Provérbios 16:9

Há planejamento. Há direcionamento, porém no caminhar dos dias, anos e tempos, os fato…

O que vi hoje confirma o que penso.

Hoje presenciei um assalto. Um carro e duas motos enquadraram um outro veículo e roubaram sua mercadoria. Foi triste, e a impotência em relação à situação frustra.

Ver aqueles homens e jovens fazendo tal coisa reforça meu desejo de trabalhar cada vez mais para inserção da arte e cultura na vida dos jovens e de todos aqueles que se abrirem para a oportunidade do novo.

Vejo e conheço crianças que nunca foram ao teatro. Adultos que nunca tiveram contato com manifestações artísticas e nada sabem sobre o mito da caverna, sobre a cultura grega e suas ricas influências no desenvolvimento das artes e sociedade, nada sobre Machado de Assis e sua importância para a literatura brasileira, nada sobre o município onde moram e seu desenvolviemtno social e político. Nada... seu entretenimento é a televisão, o bar, a noite e suas portas largas... Leitura? Nem pensar em mostro mais pavoroso!

O povo sofre por falta de conhecimento. O conhecimento transforma o ser, pluraliza as palavras, aumenta o campo…

Putz! Desabafei! Ai que bom...

Putz! Tenho que falar.

Esse negócio de site de relacionamento às vezes enche. Tem um monte de gente escondida atrás disso.

Putz! Quando será que algumas pessoas terão a coragem de DIZER DE VERDADE? De SER DE VERDADE?

Até quando se pode conviver com essa camuflagem tola?

Recebi uma mensagem outro dia com intenção ofensiva ou pode-se dizer "sutilmente" ofensiva...

Sabe quando você alfineta alguém e finge de morto? Assim foi.

Putz de novo!

Eita gente infantilóide.



Quando não temos afinidade com alguém não devemos tê-los em nossa "rede real", e não fazem parte da minha. Não fazem parte da minha vida e do meu círculo de amigos. Sabem disso. Apesar de estarem em um endereço eletrônico compartilhado. Quem é bem chegado sabe que é. Quem não é também.

Eu não me interesso por desvelar a vida de ninguém, enfim, esses sites são para divulgação do meu trabalho e da minha produtora. São para conectividade, para crescimento de laços profissionais e reencontros reais de pessoas qu…

Caminhos Literários, caminhos da alma...

Tenho percorrido dois caminhos literários no momento. Um livro indicado pela minha professora de teoria literária para avaliação estrutural O FUTURO DA HUMANIDADE DE AGUSTO CURY e outro, de minha escolha, para alargar minhas fronteiras pessoais  A LINGUAGEM DAS EMOÇÕES DE PAUL EKMAN.

Carlos Drumond já falava do universo em um livro e da indisponibilidade das pessoas em frenquentá-lo.

Os dois universos em questão estão pela metade conhecidos, já há apontamentos sobre a estilística e sobre os encantos de seus conteúdos, mas posso salientar meu apreço pelos livros que possuem linguagem mais rebuscada e científica.

O tema A Linguagem das Emoções me encanta e de forma envolvente seduz-me. As letras  que compõem sua capa atrairam-me na estante de uma grande loja, e foi-me prazeroso comprá-lo.

As emoções, as intenções, os subtextos, a linguagem, esse verdeiramente é um assunto rico e extenso, que causa-me grande interesse. Tudo que dizemos sem querer, no olhar, no suspirar, no caminhar, no ge…

Do coração para fora...

É SAUDADE do que poderia ser e não é.
Vontade de ir e medo de sair do lugar.
É desejo, dualidade.

Poderia VIVER e nada do que é deixar de ser. Mas cada sensação, cada pensamento, cada ação altera o futuro, altera a forma, transforma o movimento, o sentimento, tudo... como um efeito borboleta - aquele filme que todo mundo um dia já viu, uma cascata, um dominó que cada peça se encaixa.



Um filme já visto em mente, vivido, avaliado.

Ai, ai... complicado ser...


CADA passo dado está traçado, e mesmo assim parece que há um precipício à frente.

Como diz um querido amigo: está TUDO tramado. Não fui eu que tramei - isso digo eu, não ele.


Um personagem chamado Falcão que vive nas páginas do livro O Futuro da Humanidade, diz em uma bela cena em que recita um de seus textos:

Os fracos querem controlar o mundo;  os fortes o seu próprio ser!!!
Eta ser. Eta ser...


OK to no branco há algum tempo...

OK to no branco há algum tempo...

Motivos? Falta de tempo.

Assuntos? Mil. Isso é o que não acaba. Claro, tantas coisas acontecem o tempo todo... tudo muda o tempo todo no mundo...

Estava eu, mera mulher carioca, indo e vindo nessa travessia que faço pela cidade todos os dias para o trabalho que estou envolvida em um shopping do Rio, observo.

Travessia. Essa é a palavra que tenho vivido. As cores da cidade, das luzes que a iluminam, os carros em velocidade, o vento, as pessoas e sua diversidade são atração e um pouco do que difere o dia a dia.



Levo os sorrisos que vejo, os cheiros que sinto, as risadas que dou, as intenções que vejo... levo tudo em mim por essas travessias.

Parecem-me às vezes universos distintos e verdadeiramente distantes. Não distantes por kilometragem e sim por costumes e necessidades. Tantas diferenças. Ao mesmo tempo tantas similaridades.


Nomearei os detalhes e o sumário das informações que virão. Tudo  a seu tempo, por agora, sono e lembranças das luzes que esta…

Começa dentro, acontece fora.

Tudo começa de dentro pra fora.

Ok! Já sei.

É que às vezes estranhamos esse "samba do crioulo doido" que acontece em nós.

Está tudo programado para ser certo, exato, correto, bem feito... Tudo calculado...


Porém, há de se entender que nada está tão confirmado. Pelo menos por nós!

Em pensar que traçamos tantos objetivos quando iniciamos o ano. Promessas e tudo mais fazemos a nós mesmos.
Visonamos, direcionamos, mas enfim, não comandamos de fato o destino.

Parece-me que ele está por si só trabalhando, se é que posso falar "por si só".

Olhando de fora ninguém sabe o que há dentro.
Olhando de fora todo belo é príncipe.
Olhando de fora estamos de fora mesmo.
Esse movimento interno é que faz o resto acontecer.

Essa vida que recheia.

O calor, o humor e as coisas que fazem ferver o interno ser. Vozes que os outros não ouvem, mas que se forem gente daquelas que sentem as almas, vão ler os detalhes, os sentidos, os olhares, o ser.

Tudo começa de dentro pra fora.
Do ônibus ind…

Festa estranha com gente esquisita

Beleza, sou assim mesmo. Gosto de gente de verdade.
Não escondo o que sinto. Não finjo.
Às vezes assusto quem tem medo de ser, mas fazer o quê?
Sou o que sou e quando o que sou não basta, eu mudo.Sem medo de mudanças, sem medo de perguntas e respostas.
Às vezes a vida se parece com os versos de uma música do Legião Urbana que diz assim: 

"Festa estranha, com gente esquisita..."


Gente escondida, sendo amáveis e simpáticas on e off se mostram em um reino TÃO, TÃO DISTANTE como no filme Shrek. Tanta bobeira... tanta coisa falta de sangue, de toque, de papo. Tantos mundos interessantes... cada um é um mundo.

Ethan McCord e tudo o que fazemos quando somos doutrinados

Assisti ao programa Dossiê e fiquei muito sensibilizada com a matéria sobre Ethan McCord.

Ethan é um ex-soldado americano que esteve na guerra do Iraque. Seu nome e de um amigo ficaram conhecidos pela publicação de uma carta de desculpas ao povo iraquiano pelas atrocidades que cometaram juntamente com o exército de seu país. A carta causou muitos danos ao soldado (que teve seus filhos ameaçados de morte e obteve a repulsa de vários ex-combatentes)  mas trouxe um pouco de paz a seu espírito, visto que em sua declaração ao Dossiê disse que será assombrado até à sua morte pelos rostos das pessoas que matou. Armadas e desarmadas.

O caso do Ethan me remete à outros milhões de casos. Pessoas são doutrinadas todos os dias em locais completamente diferentes pelo mundo afora. Em nome de Deus, do país e de tudo o mais elas são fantoches nas mãos dos que as manipulam.

Muitas vezes nos transformamos para pertecer a um lugar, para fazer parte de determinado grupo e nem percebemos. Mudamos nossas r…

Ela não está tão a fim de você >>> atitudes revelam o ser

Tudo bem. Certo é que somos assim: tão indefinidos.

O interior se faz desconhecido aos olhos, porém a grande revelação que ele faz é vista através das revelações demonstradas pelas suas atitudes.

O comportamento atitudinal nos esclarece tudo.

Muitas vezes não estamos dispostos a perder a visão romântica da vida, estamos na maioria das vezes desculpando as pessoas por suas fraquezas de caráter e erros. Mal do homem. Normal.

Mas tenho que dizer que as pessoas são o que são. São como são, são o que demonstram, e não o que falam.

Uma coisa é a poesia lida, outra coisa é a poesia interpretada. Causa mais impacto, faz uma grande diferença.

Eu vi um filme (tem um bom tempinho) chamado ELA NÃO ESTÁ TÃO A FIM DE VOCÊ, o filme fala um pouco disso. Relata a visão complexa da mulher e a simplicidade masculina, tipo: se ele não ligar é porque não quer, se ela não ligar está fazendo charme. Revela a complexidade das realções, escolhas e aceitações. Concordo com vários pontos de vista exibidos no fi…

O desequilibrio e as compensações

Estava trabalhando hoje no Iguatemi e escutei uma gritaria, palavrões e tudo mais. Parecia-me uma briga. Fui olhar. Era uma jogo de futebol em que as estrelas eram adolescentes.


Do quarto andar ouvi aqueles gritos e palavrões que não condiziam com aqueles corpos em definição e crescimento, porém era uma compensação.

Um time havia atacado, goleado, e para compensar a sensação de fracasso as bocas enchiam-se de palavras que extirpavam aquele sentimento de frustração.



Quando algo nos desequilibra procuramos compensar de alguma forma.

Fiquei observando aqueles meninos e outros fatos passados vieram à minha mente como que em cenas sequenciais.

Lembrei-me de um trabalho que executei dia desses e que em um momento toquei na pele de outro profissional. Na mesma hora percebi sua reação de esquivo e a sensação que tive no momento era que se pudesse ser dito um texto seria:
 "não me toque!!!!"
Não houveram palavras, mas houve essa liberação de energia que fala sem que elas sejam necessá…

Essa gente linda merece parabéns!

Sol, sol, sol...

Debaixo daquela cor prateada ou dourada lá eles estão.

Vi esse rapaz hoje em Duque de Caxias no Calçadão da José de Alvarenga e fiquei a observá-lo.

Uma moeda caía em seu pote e ele se mexia, mandava um beijo, dava um sorriso e assim passava seu dia. Mais um dia em seu trabalho.

Parei para falar-lhe e perguntei se era ator, ele respondeu-me que não, mas que estava atuando ali.

Preparamo-nos em escolas para fazer os papéis que nossa profissão nos propõe, mas aquele ali estava preparado pela necessidade para fazer aquele papel.

Simples?


Parado?

Pode ser que sim, o grau de dificuldade não pode ser medido por isso.

A medida está na necessidade. Na busca. Na coragem e disposição.

Caracterizar-se e pôr-se na rua.
Dar a cara a tapa.

Por uma moeda?
NÃO! Por sua dignidade. E só.

A vida ensina.
Profissionaliza.

Parabéns querido Marcos Costa!!

Sucesso aos artistas de rua, aos artistas da vida!

Tem que ter o sangue quente, a coragem latente e a esperança no coração.

Viver é estar…

Beleza então! Vou ouvir a voz!

Sei lá o que acontece...

Somos estranhos eu acho. Enfim, tenho certeza.

Olhamos as outras pessoas com os olhos das nossas necessidades. Adornamos, qualificamos, colorimos e vivificamos de maneira tal, que pouco percebemos o que elas realmente expõem.

Muitas vezes o percentual que recebemos não se assemelha ao quantitativo que ofertamos.

As pessoas são grandes caixas com enormes surpresas. Na maioria das vezes somos nós que permitimos que essas surpresas tornem-se aterrorizantes e sejam elementos de influência frustrante.

Ninguém consegue se enganar.

Não se pode esconder uma luz embaixo de uma cama, ela com certeza brilhará e se mostrará à todos. Assim são as coisas.

Uns dizem nosso íntimo, outros dizem alma, alguns intuição ou sensibilidade, tantos nomes... eu poderia dividir a seguinte classificação: coração. Essa palavra une todas as outras apesar de ter uma conotação romântica da vida e seus pertinentes sentimentos.



O coração por assim dizer revela-nos direções. Essas inclinações d…

Tá na hora de crescer: mais. Lagarta, borboleta e Matrix!!!!

Engraçado isso, ou estranho isso!

Chega um momento que o nosso ser interno parece ter sido acionado e pronto, é impelido a mudar.

As sensações internas que dizem CHEGA!!!!! são clarificadas à mente e discretamente aos olhos porém intensamente à alma, e são os ingredientes que simplesmente alteram todo o sabor do ser.

Aquela pimenta que força beber um copo d'água, aquele vento que força o uso do casaco, aquele grito que força a resposta: Por favor, pode falar um pouco mais baixo!

Esses momento singulares que provocam mudanças e atitudes são intensos internamente, recheados de questionamentos, pesos e medidas que somente quem os qualifica pode entender.

Incrível é que todas as coisas cooperam para que tais mudanças aconteçam.

Fazendo um comentário completamente pessoal: às vezes me parece que as pessoas são totalmente manipuladas por esse "destino", se é que posso dizer assim.
Enfim, graças a Deus temos que passar por isso, mudar de nível. Isso é bom demais, mostra o real v…

Os pombos que andavam no Retiro...

Estive no Retiro dos artistas para uma reunião nesse sábado.

Enquanto esperava para começarmos fiquei fotografando uns pombos que ali estavam.

Calmos estavam, e eu também. A calmaria daquela ambiência nos fez ficar assim.



Talvez eu estivesse em um daqueles momentos que Cazuza dizia em sua música: "eu ando tão down...", só sei que aqueles momentos ali me foram um carinho.



Ao receber um boa tarde de um bom e velho artista que caminhava com sua bengala pude ver a vida... como passa... como é breve.



Aquele ar, aquela brisa, aquele som, aquelas pessoas dançando uma bela dança de salão completava o ambiente... o cheiro de café que vinha do bar, a escadaria do teatro... e os pombos... ah os pombos... sozinhos e acompanhados, feito eu naquele lugar.




Que muitos possam desfrutar daquele lugar quando estiverem precisando.


Digno.

Não sei o nome dele

Sou atenta ao que acontece pelas ruas onde passo. Gosto de observar as pessoas, as casas e tudo o mais.

Há uns dois domingos vejo um homem grafitando na rua do Bangu Shopping onde trabalho aos domingos fazendo maquiagem artística nos pequenos. Adorei o estilo dele, cabelo e vi sua obra sendo iniciada. Estava sem máquina e não pude registrar.


Esse domingo quando chegando ao shopping, fui olhar como estava o andamento do grafite e ele já havia terminado. Fiquei feliz e fiquei triste. Feliz pela obra linda que compôs e triste porque não pude fotográ-lo para dar-lhe os créditos devidos por tanta beleza.


Quantos artistas trabalhando por aí afora, tanta gente... tantos nomes... tanta arte acontece.

Mesmo sem saber seu nome parabenizo a perfeição e força nos traços. Simplesmente lindo.

Há tantos espaços na cidade que poderiam ser grafitados e valorizados por este trabalho. Pena que não haja um incentivo maior para o desenvolvimento de projetos que profissionalizem jovens nesse ofício. Ao inv…

Quanto mais o tempo passa menos o temos...

Estou cansada.

Lembro-me que antigamente tinha sono pesado e um tempo longo para dormir, hoje tenho o sono leve e não tenho o tempo, e ainda os dias parecem-me mais curtos ou o que quer que seja.

Chego a conclusão que quanto mais o tempo passa menos tempo parece que temos. Estranho isso.

O trabalho de produção é desgastante, a correria, o vai e vem, as coisas que faltam, que quebram, os imprevistos que são sempre previstos, tudo... ai... tem dias que precisamos deitar, comer uma pipoca e desligar o celular, ou somente rir um pouco.

Incrível é que essa rotina elétrica nos vicia. Nos dias que por eventual destino fico sem atividades sinto-me improdutiva e por vezes inútil... o vício do trabalho, a queixa do trabalho.

Ontem mesmo foi um dia delicioso no Recreio Shopping, me diverti com as crianças e especialmente amei um menino chamado Vinicius. Um príncipe. Possivelmente uma criança que nunca mais verei mas que trouxe ternura e carinho ao meu coração em mais um dia da minha vida. Foi um…

Amy = muitos

Amy Winehouse é tão parecida com tantas pessoas. Tem um pouco de todos e tudo.

Pensar no quanto podemos ser destrutivos nos mostra o quanto somos humanos, falhos e simples.

Sempre pensei que só nos conhecemos até onde fomos. Temos tendências e somos atraídos para elas. Temos questionamentos, insatisfações, medos e frustações que podem ocasionar grandes males se não forem bem administrados.

Lembro da primeira vez que traguei um cigarro aos 16 anos. Foi ótimo. Foi bacana e sempre achei que era bonito. Fumei durante doze anos e tive diversos momentos angustiantes em hospitais por crise de bronquite crônica. Parar a primeira vez foi fácil. A segunda tive dores de cabeça e insistente mau humor que incendiava minha vida.

Parei de fumar por 7 anos, voltei 2 e parei novamente. Não sinto vontade alguma de fumar, mas quando paro para lembrar ainda sinto o gosto do malboro vermelho na boca, e enfim, pra quem usa o gosto é muito bom. Seja que substância for. A sensação não alimenta só o corpo, s…