terça-feira, 30 de agosto de 2016

Ela

Às vezes paro a observar a respiração dela. Seus barulhos. Em pé parada na porta de seus aposentos apenas observo.
Sinto-me agraciada por tamanha oportunidade. Vê-la.
Sei que um dia meus olhos não poderão contempla-la.
Sei que tudo passa, inclusive nós, que mesmo sendo eternos, espíritos andantes, peregrinando, ainda assim não mais nos veremos nessa terra. 
Então observo.
Mãe bela.
Ela. 
Postar um comentário