segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Não sei o nome dele

Sou atenta ao que acontece pelas ruas onde passo. Gosto de observar as pessoas, as casas e tudo o mais.

Há uns dois domingos vejo um homem grafitando na rua do Bangu Shopping onde trabalho aos domingos fazendo maquiagem artística nos pequenos. Adorei o estilo dele, cabelo e vi sua obra sendo iniciada. Estava sem máquina e não pude registrar.


Esse domingo quando chegando ao shopping, fui olhar como estava o andamento do grafite e ele já havia terminado. Fiquei feliz e fiquei triste. Feliz pela obra linda que compôs e triste porque não pude fotográ-lo para dar-lhe os créditos devidos por tanta beleza.


Quantos artistas trabalhando por aí afora, tanta gente... tantos nomes... tanta arte acontece.

Mesmo sem saber seu nome parabenizo a perfeição e força nos traços. Simplesmente lindo.

Há tantos espaços na cidade que poderiam ser grafitados e valorizados por este trabalho. Pena que não haja um incentivo maior para o desenvolvimento de projetos que profissionalizem jovens nesse ofício. Ao invés disso muitos deles enchem a cidade com o lixo das pixações.



Essa casa está localizada na rua ao lado daquela pintura linda e é um verdadeiro desrespeito aos moradores. As pessoas trabalham, constroem, pintam, reformam suas casas e algum vândalo a decora dessa maneira. Tamanho desrespeito é inaceitável.

Não credito pixação como arte como alguns dizem. Credito como abuso. Não é molde e muito menos inspiração para ninguém, pelo contrário, causa revolta e raiva aos que recebem essa LINDA marca.


Essa placa está na na entrada do shopping. Que vergonha e falta de civismo pixar uma placa informativa.

Gostaria de salientar o fato de que a maioria dos jovens acham o tal ato da pixação emocionante por estar de alguma maneira opondo-se às regras ou infringindo as leis. Triste, mas verdade. Há muitos bairros em que tudo está pixado. Empobrece o lugar e causa uma grande sensação de abandono...

O incentivo ao esporte e arte na fase da infância e adolescência com certeza fariam diferença nesses hábitos.

A adrenalina que tantos buscam encontra-se também nas competições e desafios propostos. A descarga de energia é prazerosa e benigna para todos, para ambos os lados e não somente para um.
Postar um comentário