Pular para o conteúdo principal

Dentro.

Acordo-me quando vejo-me envolta 
por visões que não refletem o que sou.
Fujo de tal névoa.
Setas, influências, tantos laços...
A mentira força-se a ser aceita 
e os primários rudimentos insistem em ficar...
Acordo-me sempre que o eu visto diz que é o ser principal... 
não é.
Pôr-se no lugar que é seu e ficar.
Olhar-se em real grandeza e ver-se como de fato é.
Visão interior é força vital.
Propulsora energia,
dispensa concordância,
dispensa muletas,
livra-se do importar alheio e segue.
A liberdade que agrega total felicidade à alma é aquela que vive sem desejo de agradar a outrem.
Sim, 
cria-se personagens para a aceitação social... 
...mas que tal ser o normal? 
Ser o que é e só.
Não sou o que pensam de mim.
Sou o que sou,
e quando o que sou não basta,
altero-me,
aprendo,
mudo e capacito-me para ser mais de mim.
Fecho meus olhos para o mundo externo e abro o interno.
Meu mundo é plural, 
extenso e ainda virginal em tantos caminhos...
tantos lugares meus ainda nem pude explorar...
Acordo-me do que os outros podem pensar...
É sonho irreal.
O real está aqui.
Dentro.





Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Feita de Amor

O amor sempre me sobrou.  Sempre me salvou.Sempre foi tão fácil amar. Ser gentil. Ser em paz.
O amor me completa. Sou feita dessa profundidade. Sou feita de complacência e perdão. Feita dessa imensidão.
E há quem pense que amar está aliado a sexualizar a vida.
O amor é mais intenso. Tem a fluidez do tempo. Tem a lágrima que pulsa dentro. Tem barulho e gargalhar. Tem silêncio.
Eu fui formada e fornada nele. Nunca hei de estar só. O amor está dentro. Em movimento. Pulsando na alma que um dia daqui irá.
Fui gerada pelo próprio Amor. E em mim amor há.








Não tenho vergonha de ser!

Começo assim, lembrando um comentário de um amigo da faculdade sobre o meu post anterior - O Sexo das Almas: "Muito bom o texto. Uma prosa poética. Soou-me o AMOR cantado as avessas, como quem consegue ver de um ângulo oposto..." Começo assim, refletindo os comentários mais analíticos que recebo e dos mais apaixonados também, como o que recebi sobre o post Pra que viver na realidade?
"AMEI o texto, você descreveu o que eu realmente penso."
Sempre recordo-me de uma pequena frase de Mia Couto que diz que "o poeta não gosta de palavras, escreve para se ver livre delas", é verdade. 

A arte da escrita é uma libertação, uma ação que livra-nos de todo movimento interno que aflige-nos. Sim, sei que muitos não escrevem... muitos bebem, muitos entorpecem seu corpo por conta de toda guerra em sua alma... sei que muitos cantam, outros entregam-se a uma busca frenética na expressão de sua arte, sendo de tal forma seus personagens que depois buscam tratar-se para livra…