sábado, 22 de setembro de 2012

Minha beleza.

Minha beleza é livre,
sem compostura.
Tem a face do eu que digo.
Do riso que expande.

Minha beleza não tem forma,
nem fôrma,
nem nada ideal.
É simplesmente simples essa tal.
Recheada de letras,
textos,
rimas e prosa e tal.

É recheada de liberdade,
despida de fronteiras,
tem musicalidade,
e amor de verdade,
transpirando 
e emergindo em mim.

Paro porque não pára,
porque frasear não explica
nenhuma beleza enfim.




Postar um comentário