terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Mais ainda

Foi tudo que ele esperava.
Parecia um sonho aquilo tudo.
Uma boca macia,
um cheiro doce na pele aveludada.
Ela era suave,
sua voz entontecia-o mas ela não imaginava.
E assim falava,
e falava,
e falava.

Naquele dia,
quando a noite chegou assim,
quase que tardia...
Suas bocas ficaram tão próximas que podiam sentir o hálito
da bebida quente que tomaram.
Era um chá verde com o frescor do hortelã,
e misturava-se,
misturava-se ao cheiro da fome de beijo que vinha,
forte,
gritante,
do interior aquilo vinha.

E foi tudo que ele esperava.
Mais ainda.



Postar um comentário