segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Vive

Minha boca encheu de palavras que não posso dizer e não quero
Mas o peito bate forte com as tais coisas que da boca para dentro ficam
Sim,
Fervilham, sorriem e entrelaçam-se letras,
frases,
rimas e não rimas.
Essa nau vai sem fronteira.
Livre.
É que nem tudo se diz, fala ou permite.
Mas em algum lugar vive.

Postar um comentário