sexta-feira, 30 de novembro de 2012

sou!

Eu não sou de ninguém.
Sou de mim.
Sou da vida.
Sou do vento que brisa...
Sou da cor das flores.
Sou mista.

Eu não sou das palavras.
Elas são minhas.
São um pulsar meu,
do meu olhar,
da minha sina.

Eu não sou de todos.
Sou pra poucos,
sou de poucos,
sou pra olhos que podem ver,
sou pra olhos que vêm além do você,
mesmo.

Sou da liberdade celeste....
Sou da fé.


Postar um comentário