Pular para o conteúdo principal

Tudo acontece por um motivo...


Tudo acontece por um motivo.

Se acabou é porque alguém não amou o suficiente para ficar, alguém deixou de cuidar, o outro magoou ou mesmo nunca foi... nem seria o certo para os dois.

Tudo acontece por um motivo.
É impossível que os caminhos sejam formados pelo acaso.
São apenas frutos de escolhas, claras ou ocultas, mas ainda assim escolhas...
Fluência de energia em direção a outro caminho...

"Ainda vai levar um tempo, pra fechar o que feriu por dentro..."
 Lulu Santos

Mudança?
Dói.
Caminhar em direção ao que não se conhece traz um medo de vida...
Traz uma tristeza pelo que não foi... pelo que poderia ter sido.

Eu sei, não se chora o leite derramado.
Prantear?
Acho que não devemos encher o coração e a mente com o SE.
O se é uma dúvida e dúvidas não devem ter residência na alma.
A dúvida é o muro...
Mas ainda assim há uma lágrima por tudo que não foi.
Solitária lágrima.

"Os românticos conhecem a dor da espera, a decepção do fim, a ausência do sentir..."

O que pode-se entender então de tudo que vivemos?
Não sei bem precisar.
Nem dizer que haja absoluta regra.
Por mais que seja dita ou expressa.
A vida não é uma novela.

Planejamos e no percurso o curso é mudado...
O curso segue de acordo com nosso coração, mesmo quando não sabemos precisar que estamos exatamente sentindo o que virá.
O coração é o prólogo.
Antecipa inconscientemente o que há de ser logo ali.


Há motivos para cada pessoa que temos em nós e ao nosso redor.
Para cada trabalho.
Para cada amor.

Há motivos, razões, determinações, escolhas...

Sim, nossos pensamentos, 
nossas ideias,
VIRAM COISAS.
REAIS.

Assim como imagina a sua alma, assim é.
pv 23:7


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Feita de Amor

O amor sempre me sobrou.  Sempre me salvou.Sempre foi tão fácil amar. Ser gentil. Ser em paz.
O amor me completa. Sou feita dessa profundidade. Sou feita de complacência e perdão. Feita dessa imensidão.
E há quem pense que amar está aliado a sexualizar a vida.
O amor é mais intenso. Tem a fluidez do tempo. Tem a lágrima que pulsa dentro. Tem barulho e gargalhar. Tem silêncio.
Eu fui formada e fornada nele. Nunca hei de estar só. O amor está dentro. Em movimento. Pulsando na alma que um dia daqui irá.
Fui gerada pelo próprio Amor. E em mim amor há.








Não tenho vergonha de ser!

Começo assim, lembrando um comentário de um amigo da faculdade sobre o meu post anterior - O Sexo das Almas: "Muito bom o texto. Uma prosa poética. Soou-me o AMOR cantado as avessas, como quem consegue ver de um ângulo oposto..." Começo assim, refletindo os comentários mais analíticos que recebo e dos mais apaixonados também, como o que recebi sobre o post Pra que viver na realidade?
"AMEI o texto, você descreveu o que eu realmente penso."
Sempre recordo-me de uma pequena frase de Mia Couto que diz que "o poeta não gosta de palavras, escreve para se ver livre delas", é verdade. 

A arte da escrita é uma libertação, uma ação que livra-nos de todo movimento interno que aflige-nos. Sim, sei que muitos não escrevem... muitos bebem, muitos entorpecem seu corpo por conta de toda guerra em sua alma... sei que muitos cantam, outros entregam-se a uma busca frenética na expressão de sua arte, sendo de tal forma seus personagens que depois buscam tratar-se para livra…