Pular para o conteúdo principal

Cordel do esquecimento...


Olhei com olhos bons o que bom não estava...
Olhei com os sentidos da minh'alma...
Sem recuar abri os cadeados,
Enterrei o presente e fiz passado, 
Doei ouro a quem só alcança o pão...

Fiz música e poesia,
criei rimas belas e sortidas,
alcancei notas musicais,
Ainda fiz mais,
Ainda fiz mais.

Fiz doce de panela,
costurei os retalhos maltrapilhos,
endireitei sorrisos,
dei o suspirar.

Entreguei lágrimas a outros... eu fiz.
E machuquei um coração,
só pra te amar,
só pra te amar.

Fui o todo e nem dei tudo,
tanto há e não desnudo,
mas nem posso assim fazer.
É o viver,
é o viver.

Agora a palavra é esquece-me...
Hoje eu sei tu não me queres,
jogas fora sem pesar...



Então guardo-me em mim,
reservo-me assim,
outro enfim vai logo estar.

Em lugar de verso e prosa,
em lugar do meu cordel,
vai tomar a sonhadeira,
dos teus braços hoje fel.

Teus caminhos tortuosos,
cheios de engano e vão,
vão se embora dessa vez,
não abrigo-te mais não.

Mentis bem que eu acredito,
mas não vou mais te ouvir,
nem palavras nem sentidos,
posso a ti deixar abrir.

Tua boca é engano,
mais ainda o coração,
brincas como leviano,
adulteras coração.

Tenho dito agora esqueço-te,
nunca mais mesmo cordel,
nem sorriso nem beijinho,
nem poética nem mel.

O que era doce e meu,
tudo tinha pra te dar,
mas agora já não é teu,
meu amar,
meu amar.

Fecho assim esse cordel,
do esquecimento é o nome,
te amei,
te amei,
como se tu fosse home.

Mas no fundo tu só era,
um bela de uma fera,
machucando e "ferino",
dando aos outros um castigo,
um castigo que sofreu
o desprezo e se perdeu.

Tá agora andarilho,
tão perdido e empobrecido,
dentro de uma alma errante,
incapaz de se mostrá.

Vive seduzindo o mundo,
mas esse mundo é vazio,
vai passá,
vai passá.

Eu prometo de pé junto,
nunca mais de ti falá,
não mereces meu amor,
sai pralá,
sai pra lá!



Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Feita de Amor

O amor sempre me sobrou.  Sempre me salvou.Sempre foi tão fácil amar. Ser gentil. Ser em paz.
O amor me completa. Sou feita dessa profundidade. Sou feita de complacência e perdão. Feita dessa imensidão.
E há quem pense que amar está aliado a sexualizar a vida.
O amor é mais intenso. Tem a fluidez do tempo. Tem a lágrima que pulsa dentro. Tem barulho e gargalhar. Tem silêncio.
Eu fui formada e fornada nele. Nunca hei de estar só. O amor está dentro. Em movimento. Pulsando na alma que um dia daqui irá.
Fui gerada pelo próprio Amor. E em mim amor há.








Não tenho vergonha de ser!

Começo assim, lembrando um comentário de um amigo da faculdade sobre o meu post anterior - O Sexo das Almas: "Muito bom o texto. Uma prosa poética. Soou-me o AMOR cantado as avessas, como quem consegue ver de um ângulo oposto..." Começo assim, refletindo os comentários mais analíticos que recebo e dos mais apaixonados também, como o que recebi sobre o post Pra que viver na realidade?
"AMEI o texto, você descreveu o que eu realmente penso."
Sempre recordo-me de uma pequena frase de Mia Couto que diz que "o poeta não gosta de palavras, escreve para se ver livre delas", é verdade. 

A arte da escrita é uma libertação, uma ação que livra-nos de todo movimento interno que aflige-nos. Sim, sei que muitos não escrevem... muitos bebem, muitos entorpecem seu corpo por conta de toda guerra em sua alma... sei que muitos cantam, outros entregam-se a uma busca frenética na expressão de sua arte, sendo de tal forma seus personagens que depois buscam tratar-se para livra…