domingo, 12 de fevereiro de 2012

Cordel do esquecimento...


Olhei com olhos bons o que bom não estava...
Olhei com os sentidos da minh'alma...
Sem recuar abri os cadeados,
Enterrei o presente e fiz passado, 
Doei ouro a quem só alcança o pão...

Fiz música e poesia,
criei rimas belas e sortidas,
alcancei notas musicais,
Ainda fiz mais,
Ainda fiz mais.

Fiz doce de panela,
costurei os retalhos maltrapilhos,
endireitei sorrisos,
dei o suspirar.

Entreguei lágrimas a outros... eu fiz.
E machuquei um coração,
só pra te amar,
só pra te amar.

Fui o todo e nem dei tudo,
tanto há e não desnudo,
mas nem posso assim fazer.
É o viver,
é o viver.

Agora a palavra é esquece-me...
Hoje eu sei tu não me queres,
jogas fora sem pesar...



Então guardo-me em mim,
reservo-me assim,
outro enfim vai logo estar.

Em lugar de verso e prosa,
em lugar do meu cordel,
vai tomar a sonhadeira,
dos teus braços hoje fel.

Teus caminhos tortuosos,
cheios de engano e vão,
vão se embora dessa vez,
não abrigo-te mais não.

Mentis bem que eu acredito,
mas não vou mais te ouvir,
nem palavras nem sentidos,
posso a ti deixar abrir.

Tua boca é engano,
mais ainda o coração,
brincas como leviano,
adulteras coração.

Tenho dito agora esqueço-te,
nunca mais mesmo cordel,
nem sorriso nem beijinho,
nem poética nem mel.

O que era doce e meu,
tudo tinha pra te dar,
mas agora já não é teu,
meu amar,
meu amar.

Fecho assim esse cordel,
do esquecimento é o nome,
te amei,
te amei,
como se tu fosse home.

Mas no fundo tu só era,
um bela de uma fera,
machucando e "ferino",
dando aos outros um castigo,
um castigo que sofreu
o desprezo e se perdeu.

Tá agora andarilho,
tão perdido e empobrecido,
dentro de uma alma errante,
incapaz de se mostrá.

Vive seduzindo o mundo,
mas esse mundo é vazio,
vai passá,
vai passá.

Eu prometo de pé junto,
nunca mais de ti falá,
não mereces meu amor,
sai pralá,
sai pra lá!



Postar um comentário