Pular para o conteúdo principal

Maturidade, um prêmio na vida

A maturidade é um prêmio.

Amadurecer é um apaixonante encontro conosco.
É ser tão cheio, repleto, pleno...
é ser denso e claro com suas intenções,
suas opiniões,
seus desejos.

Crescer é assumir-se em equilibrio.
É ter coragem de sair do lugar comum.
É ter coragem de agradar a si e não aos outros.




A certeza da unidade está no crescimento.
Somos só nós, mesmo quando acompanhados.
Queremos então agradar a nossa consciência.

Chega um momento que você olha para si e diz: cresci.
Não preciso mais disso!
nem disso...


Não preciso mais de elogio,
sei quem sou sou.
Sei o que sou.

Não preciso que alguém fale da minha beleza,
sei o quem sou,
sei o que sou.

Minha beleza é interna.
Minha beleza são minhas palavras,
minha beleza está nas entrelinhas,
no sorriso,
no toque...
No ser real.


Minha beleza está na minha história.

Amadurecer traz uma inteireza assustadora...
Traz intensidade a qualquer ato.
Tudo feito com total entrega,
porque tudo passa a ser escolha e bem pensada.
Com seu peso real.

Quando a gente cresce a aventura não está em fazer coisas diversas,
beijar as mais variadas bocas,
fazer mais coisas do que cabem no dia... e sim em fazer uma coisa tão bem feita e tão inteira que chega a dar medo pelo tamanho da doação.
Medo de viver com totalidade a verdade de ser.
A maior aventura é entregar-se e ir.


Crescer é assumir-se sem medo da aceitação.
É coragem de ir e vir,
de vestir, de sorrir,
de deixar pulsar largo o coração.




Crescer é permitir-se ser de tal forma e tamanho,
que talvez ninguém possa entender os porquês vividos,
mas tudo que é feito tem total e verdadeiro sentido,
porque a necessidade é ser exato naquilo que é.
Valorizando o mínimo e vivendo o máximo de tudo que se quer...

Amadurecer assusta,
afasta as futlidades,
aproxima a intensidade.










Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Feita de Amor

O amor sempre me sobrou.  Sempre me salvou.Sempre foi tão fácil amar. Ser gentil. Ser em paz.
O amor me completa. Sou feita dessa profundidade. Sou feita de complacência e perdão. Feita dessa imensidão.
E há quem pense que amar está aliado a sexualizar a vida.
O amor é mais intenso. Tem a fluidez do tempo. Tem a lágrima que pulsa dentro. Tem barulho e gargalhar. Tem silêncio.
Eu fui formada e fornada nele. Nunca hei de estar só. O amor está dentro. Em movimento. Pulsando na alma que um dia daqui irá.
Fui gerada pelo próprio Amor. E em mim amor há.








Não tenho vergonha de ser!

Começo assim, lembrando um comentário de um amigo da faculdade sobre o meu post anterior - O Sexo das Almas: "Muito bom o texto. Uma prosa poética. Soou-me o AMOR cantado as avessas, como quem consegue ver de um ângulo oposto..." Começo assim, refletindo os comentários mais analíticos que recebo e dos mais apaixonados também, como o que recebi sobre o post Pra que viver na realidade?
"AMEI o texto, você descreveu o que eu realmente penso."
Sempre recordo-me de uma pequena frase de Mia Couto que diz que "o poeta não gosta de palavras, escreve para se ver livre delas", é verdade. 

A arte da escrita é uma libertação, uma ação que livra-nos de todo movimento interno que aflige-nos. Sim, sei que muitos não escrevem... muitos bebem, muitos entorpecem seu corpo por conta de toda guerra em sua alma... sei que muitos cantam, outros entregam-se a uma busca frenética na expressão de sua arte, sendo de tal forma seus personagens que depois buscam tratar-se para livra…