domingo, 26 de fevereiro de 2012

Faxinando...

Tô tirando tudo que está pela metade...
Tudo que não é...
Tudo que não vinga...
Tô afastando da alma, 
do coração, 
da vida.
Nada de amarras escolhidas!
Essas coisas atrasam-nos o andar.


Tô expurgando esses pequenos demônios,
males já vencidos,
males que querem voltar.

Tô fazendo a limpa,
dando uma geral,
acabei de faxinar!

Limpei os cantos da sala,
passei um pano e agora está tudo a brilhar.
É que quero receber visitas,
recepcionar, aconchegar.

Tô tapando as brechas do muro,
protegendo  e guardando o mais doce coração.
Aguardando os amplos sorrisos,
cultivando grandes e poucos amigos,
que cabem apenas em uma mão.

Tô apreciando os presentes,
que a vida faz questão de entregar.



Respirando o ar da sinceridade,
do abraço de verdade e do bem que é amar.

Por tantas coisas esforço-me,
e retiro de mim o que faz magoar.
Quero deixar a casa pronta para o que é bom entrar e sempre ficar.

Vou tirando tudo que não deu,
e tudo que ninguém falou.
Abandonando a interrogativa que no caminho sei que ficou.

Nada de amarras, nada de amarras!
Escolhidas? Nem pensar.
Segue a vida, segue a vida.

Qualquer coisa, volto a faxinar!


Minha receita de felicidade é essa: 
Ser inteiro em tudo o que faz!



Postar um comentário