Divido-me assim.

Divido-me assim...
Pelas letras,
versos e prosas poéticas divido-me.

Transpareço através dos textos,
talvez não vejam-se os subtextos,
mas neles permaneço.

Divido-me através das canções,
através dos pequenos e diversos detalhes.
Divido-me e declaro-me.
Exponho os doces sais de me componho.

Entre tão poucos estou.
Entrego-me.
Revelo-me.
Sou somente o abstrato à eles.
Sou sensações.
Sou gargalhadas,
fundas e rasas...
Entre tantos e tão poucos sou livre.
Sou o que tenho, sou o que faço.
Nudismo interno é expresso entre eles.
Não há intrusos nesse mundo diverso.
Por isso divido-me entre esses tão poucos loucos.
Em meio a tantos outros...
Divido-me entre tantos e tão poucos...


Contrução do tempo... As formas, as risadas,
as palavras e as falas.
As curvas em mim,
as pisadas,
as lacunas e as vagas.

Divido-me e deixo resplandecer-me assim.
Talvez para alguns uma codificação impossível...
Mas para outros poucos: Água, clara e rasa,
daquelas que se vê tudo...
Daquelas que nada pode esconder...

Será isso importante nesse mundo de feras?
Nesse lugar de vazio vivido?
Nesse mundo do Ter?

Postar um comentário

Postagens mais visitadas