quinta-feira, 12 de abril de 2012

"Donde" sai tudo isso?

Donde sai tudo isso?
De que maná surgem as letras, as rimas... 
Como compõem a métrica?
Como formam a poética?
Como transparecem a alma?


Donde fluem essas águas?
Essas mansas palavras,
até a trovoada que faz o tempo virar,
girar,
mudar...
Donde vêm?


A alma se entrega a elas,
e formam palavras tão belas,
criam acentuações,
criam mais do que versos,
vão além das prosas,
simplesmente entrelaçam-se e no encontro suspirado 
e suave do amor elas nascem.


Mas donde sai tudo isso?
Essas cores desvendando amores vitais,
pulsantes vozes e o silenciar mais povoado de palavras que há?


E essas melodias internas,
essas risadas descompromissadas,
essas imagens que formam o mundo nosso interno,
que povoam nossas histórias,
que romanceiam nosso sim,
que desdobram nosso caos em simples toques angelicais?


Sai tudo isso de dentro,
é um movimento sem fim.
Tem de tudo nesse lugar de magia,
fonte criadora e benigna,
cheia de vida e amor,
regada de poema e cor,
de imagens tão belas,
e sons tão singelos,
de matas e ventos...

 

 São elas, são belas...


O engraçado é que não para de vir,
não para de nascer,
e nasce todo dia em si essa coisa linda que é ser,
nasce e renasce o ser,
renova e renova assim.

Vem mais donde vem tudo isso... vem sim!


Postar um comentário