Eu não temo!

De peito aberto sigo.


Lágrimas desceram quentes em meu rosto,
chegaram a boca e pude sentir o sal do amor em mim...

Mas o amor é assim: salgado às vezes... 

Sem problemas,
há contornos,
há curvas,
há novos caminhos.

Eu sei,
às vezes não queremos partir...

Eu sigo...

Sigo amando, porque: 


Temer o amor é temer a vida e os que temem a vida já estão meio mortos.
Bertrand Russel
Postar um comentário

Postagens mais visitadas