Pular para o conteúdo principal

Peixes...

Minimalista.
Compactada na intensidade.
Proposta silenciosa.
Nas águas.
Dos Peixes.
Dos que navegam em amplos lugares...
...pouco frequentados e pouco conhecidos 
dos que na superfície tracejam seus passos.
Das águas profundas.
Daqueles seres que são dotados da coragem admirável...
daquela dos saltos...
Do se lançar... 
Das tempestades diurnas.
Da vida secreta da alma.
Distância das curvas,
da sinuosidade incessante.
Da fumaça intoxicante,
do brilho escuro confuso da noite.
Da romântica constância e calmaria que brisa a vida... da menina.
Do dia.
Do monte.
Do interno bruto.
Da grandeza que não se pode falar aos que só ouvem a si...
Minimalista? 
Amplitude.
Na essência coragem: bravura!
Tem até doçura pelos mares barcos em si...
É de se admirar tais peixes.



1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não tenho vergonha de ser!

Começo assim, lembrando um comentário de um amigo da faculdade sobre o meu post anterior - O Sexo das Almas: "Muito bom o texto. Uma prosa poética. Soou-me o AMOR cantado as avessas, como quem consegue ver de um ângulo oposto..." Começo assim, refletindo os comentários mais analíticos que recebo e dos mais apaixonados também, como o que recebi sobre o post Pra que viver na realidade?
"AMEI o texto, você descreveu o que eu realmente penso."
Sempre recordo-me de uma pequena frase de Mia Couto que diz que "o poeta não gosta de palavras, escreve para se ver livre delas", é verdade. 

A arte da escrita é uma libertação, uma ação que livra-nos de todo movimento interno que aflige-nos. Sim, sei que muitos não escrevem... muitos bebem, muitos entorpecem seu corpo por conta de toda guerra em sua alma... sei que muitos cantam, outros entregam-se a uma busca frenética na expressão de sua arte, sendo de tal forma seus personagens que depois buscam tratar-se para livra…

Não espere o momento perfeito, seja o momento perfeito!

Porque a maioria das pessoas espera o tempo certo e perfeito para tudo? Porque esperam a oportunidade exata?



O tempo é agora!

A espera é algo que não reflete o que realmente cremos. Quem crê avança. Quem deseja algo vai em busca.
Nossas cadeias são mentais São as que mais aprisionam Prendem braços, pernas, palavras... Imobilizam a alma Nossas cadeias são só nossas Nínguém pode ver como são às vezes também não vemos... São como uma porta sem parede tais cadeias  Como uma porta sem sustentação Como uma porta aberta à nossa espera Só precisamos passar, atravessar, Só precisamos ir e tudo lá estará. São tão simples nossas cadeias Ninguém pode nos prender Porém nós nos prendemos...  E é somente isso que não deveríamos fazer. Livremo-nos!

O momento perfeito é o hoje. É o único existente. O amanhã, como diz o provérbio popular: a Deus pertence! Como a bíblia diz: basta a cada dia o seu mal.
Não tardemos então! Não tardemos em fazer o bem! Não tardemos em declararmos o que pensamos! Não cansemos de dizer doce…